terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Fazer a Ponte no Brasil - A voz de quem já fez


Increva-se o quanto antes para não perder o desconto: 
http://www.aquifolium.com.br/educacional/pontenobrasil/

Em sua quarta edição o curso on line “Fazer a Ponte no Brasil” já formou cerca de 1.500 pessoas interessadas em mudanças estruturais na educação. Numa parceria da Aquifolium educacional, Projeto Âncora, Professor José Pacheco e todos os participantes que estão a construir uma rede transformadora. Confira alguns depoimentos de 2016 e venha fazer parte desta ponte.



“Com imensa gratidão ao prof. Pacheco e a equipe do Projeto Ancora, lembro da frase da Cora Coralina: Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Foi uma partilha riquíssima que ainda tenho que ir digerindo aos poucos. Com certeza foi um banquete, como o Prof. Wilson disse... , uma mesa farta e impecavelmente servida onde , por haver uma imensa variedade de alimentos, cada um teve condição de servir-se conforme a sua necessidade! Agora é ir colocando em prática, se não na totalidade parcialmente, uma vez que o novo sempre requer fé, capacidade de sonhar e ser criativo, paciencia, perseverança e principalmente planejamento estratégico com objetivos e mtas claras para ser construído! Gratidão mais uma vez e um forte abraço a tod@s! Paz e Bem”
Monica Simons

“Grata eu fico, muitíssimo grata, por oportunidade tão marcante e de deleite, ao conhecer um tanto melhor este tão querido Professor José Pacheco e esta tão atenciosa Equipe do Projeto Âncora! São palavras e textos que levarei comigo. E que, lá no fundo do coração, estarão a me instigar, e incomodar, a sempre procurar caminhos melhores e mais justos. Grata, Wilson, por calorosa recepção e sempre pronta disponibilidade em ajudar-nos. Feliz por estar perto de vocês!”
 Marceli Guedes



“Muito agradecida e satisfeita. Desde que conheci o Projeto Âncora me apaixonei, e estou na expectativa de trazer esse modelo de ensino/aprendizagem a minha cidade. Obrigada ao prof. José Pacheco e equipe do Âncora por partilhar conosco uma experiência tão gratificante e enriquecedora para nós educadores!!! Até breve!!! Obrigada!!!”
Regina Martins
“Gratidão imensa ao Prof. José Pacheco e à equipe do Projeto Âncora por compartilharem suas experiências, conhecimento e sabedoria. Com certeza não seremos mais os mesmos depois deste curso. As sementes aqui lançadas estarão germinando e florescendo e trarão benefícios para esta e para as próximas gerações. É a história sendo construída. É a transformação da Educação em andamento. Gratidão!”
Angelica Pio
“Agradeço imensamente a todos pela organização do curso e pela originalidade com que foi conduzido até o momento. Confesso que estranhei inicialmente, porém a estratégia é fabulosa. Li todas as apresentações, todas as respostas da nossa querida equipe do Âncora, ouvi os Podcasts do nosso sempre atencioso Wilson Azevedo e estou transbordando, por enquanto, de conhecimentos e mais à frente, quem sabe...Saibam que serei daqui por diante uma multiplicadora do sucesso dos projetos. Não perderei o contato, estarei em todos os cursos. Como dizia Paulo Freire, vocês mostraram a boniteza do ato educativo. Fiquem com Deus”
Zélia Mendonça
“Olá, ouvindo um depoimento como este me sinto muito feliz por ver-me refletida em angustias semelhantes desde que me conheço como educadora. Quantas vezes me questionei sobre por que algum dos meus alunos não aprendia, sempre pensando que a culpada era eu e não ele... e disto já fazem mais de 40 anos! Ao ouvir a fala do querido Prof. Pachdeco me sinto reconfortada... estava e estou pelo bom caminho ao questionar a educação desde sempre . Agora como gestora na escola que dirijo tento de todas as formas encontrar maneiras de estimular os professores a buscarem caminhos novos , que façam da escola um lugar feliz para as crianças. Temos tido alguns avanços e como já coloquei neste nosso Café Virtual, este ano, por primeira vez, faremos com que as crianças escolham os temas dos projetos que desenvolveremos ao longo do ano letivo. Tanto a equipe quanto eu estamos com bastante esperança. Sei que frente a tudo que vimos , limos e ouvimos é um passo minúsculo, mas por ser "nosso" passo ele é muito grande para nós! Obrigada por tudo. Este curso esta sendo muito importante para toda nossa escola”
Elitevalotto Valotto

 “Nossa trajetória se redesenha no percurso outrora vivenciado por você Professor José Pacheco. E por cada professor e professora que se incomodou e se transformou e por se permitir. Abriu horizontes para que outros e até mesmo nós dessa mesma forma chegássemos aqui nos transformando e resinificando e dessa maneira assim juntos e cada um no "seu quadrado" fossemos nos vendo não tão distantes da realidade de ser feliz aprendendo. Encontro mesmo em meu dia a dia lampejos de âncoras e pontes.... E assim me fortaleço pra continuar acreditando que posso sim transformar junto com minha equipe a realidade dura que cerca nossas crianças. Refletindo sobre nossa prática e promovendo mudanças significativas na educação brasileira. Nos permitindo participar deste encontro virtual abrimos possibilidades a longo prazo de nossas redes de construção de saberes e de trocas de experiências se ampliarem. Obrigada por me fazer acreditar que sou capaz sim.”

Silvana Montenegro


quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Carta do mês de fevereiro


Cotia, fevereiro de 2017
Caros amigos,

“Caminante, son tus huellas
el camino y nada más;
Caminante, no hay camino,
se hace camino al andar.
Al andar se hace el camino,
y al volver la vista atrás
se ve la senda que nunca
se há de volver a pisar.
Caminante no hay camino
sino estelas en la mar.”




Antonio Machado ensina que é caminhando que se faz o caminho.
Qual o caminho para uma sociedade justa e ética, nos perguntamos.
O que vem antes, o ovo ou a galinha? O que muda antes, o mundo ou as pessoas?

A galinha bota o ovo e o ovo contém a galinha. São inseparáveis. As pessoas mudam mudando o mundo. O mundo mudado muda as pessoas.

Somos nós, cada um de nós que, ao mudarmos, faremos um país e um mundo com estruturas mais justas, e serão essas estruturas que nos impedirão de sermos injustos e não éticos, em constante dialética de interação transformadora.

Não há caminho se não o fizermos.

Que possamos estar juntos em 2017 e mudar esse mundo tão carente de sonhos possíveis.

Grande e fraterno abraço.



Regina Machado Steurer
Conselheira Projeto Âncora


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Projeto Âncora e parceiros promovem cursos de educação transformadora


A Escola Projeto Âncora, referência mundial em inovação em educação, desde 2013 promove multiplicação de conhecimento por meio de cursos on-line, vivências, palestras e imersões que possibilitam aos participantes mergulharem por caminhos pouco percorridos na construção de novas maneiras de aprendizagem e de entendimento do universo escolar.
O descontentamento com a educação tradicional é assunto mundial. A Finlândia já tirou aulas e provas do currículo das escolas, iniciativas que rompem velhos paradigmas surgem nos quatro cantos do planeta. 

Mas como fazer esta transição? 

Como inovar de maneira que atenda toda a comunidade escolar?

Estas perguntas e muitas outras podem ser responsdidas pela equipe do Projeto Âncora e parceiros em três iniciativas que começam agora em março:

Para se inscrever clique aqui http://www.aquifolium.com.br/educacional/pontenobrasil/

"Fazer a Ponte no Brasil”
Ao unir as experiências transformadoras do Professor, consultor e palestrante José Pacheco, com os educadores da Escola Projeto Âncora e a coordenação digital e comprometida do professor Wilson Azevedo da Aquifolium o “Fazer a Ponte no Brasil” já formou mais de 1.300 pessoas nos últimos três anos consecutivos. Motivados pela Escola da Ponte em Portugal, fundada pelo professor José Pacheco e que se tornou mais conhecida a partir do livro de Rubem Alves ("A Escola Com que Sempre Sonhei Sem Imaginar que Pudesse Existir"), muitos educadores têm procurado inovar em suas escolas, buscando aplicar no Brasil algumas das ideias e práticas ali adotadas.

O curso FAZER A PONTE NO BRASIL, em sua quarta edição, oferece a oportunidade de conhecer melhor a experiência a partir da Escola Projeto Âncora, também inspirada na Escola da Ponte, também co-fundada pelo professor José Pacheco, traduzindo para realidade brasileira a escola dos sonhos de Rubens Alves.

O curso é inteiramente on-line e sem horas marcadas, promovendo intensa interação e contribuindo para formação de comunidades virtuais de aprendizagem colaborativa. Os participantes terão seus endereços eletrônicos colocados em um sistema de conferência eletrônica via e-mail com interface web, onde haverá trocas diárias com os coordenadores do curso e educadores envolvidos.
O curso tem 30 horas-aula de carga horária e 15 dias úteis de duração. Recomendamos que o aluno separe um horário diário para dedicar-se à leitura dos textos e das mensagens distribuídas pelo sistema de conferência eletrônica.
De 13 a 31 de março: Descontos para os primeiros inscritos


Acesse o link: Fazer a Ponte no Brasil


Autonomia na construção da prática educativa

Autonomia vem do grego e significa autogoverno, governar-se a si próprio. Nessa direção, uma escola autônoma é aquela que governa a si própria. No âmbito da educação, o debate moderno em torno do tema remonta ao processo dialógico de ensinar que preconiza a capacidade do educando de buscar resposta às suas próprias perguntas, exercitando, portanto, sua formação autônoma.

O projeto Âncora e o Instituto Singularidades oferecem, em uma parceria inédita, no primeiro semestre de 2017, o curso de extensão “Autonomia na Construção da Prática Educativa”. Nessa parceria, o Projeto Âncora, que é um espaço de aprendizagem, prática e de multiplicação da cidadania no âmbito da Educação Básica e o Instituto Singularidades, que tem como valor a  ressignifição  do papel essencial do professor e da educação na sociedade, se unem para discutir o papel da autonomia na educação.

Os educadores têm, na atualidade, a importante missão de formar alunos autônomos, com capacidade de usar seu senso crítico para contribuir de modo positivo e construtivo para a sociedade em que vivem. Mas para promover essa educação autônoma é preciso que o professor também pleiteie e desenvolva sua autonomia em sala de aula. Nesse sentido, o objetivo deste curso é desencadear a transformação pessoal do educador na busca de autonomia na prática pedagógica, visando a reconfiguração de suas práticas educativas.

Quando? 

Domingos: (Singularidades) Início: 19/03, 02 e 23/04 e 21/05, das 9h às 16h.
Segundas: (Âncora) Início: 20/03, 03 e 24/04 e 22/05, das 7h20 às 16h20.




 Vivência Transformadora I:
Ao acreditar que a aprendizagem vivencial é uma maneira assertiva, profunda e duradoura de adquirir conhecimento, a Escola Projeto Âncora lançou em 2014 os programas de Transformação Vivencial.
Durante cinco dias, os participantes “moram” na hospedaria do Projeto Âncora, que comporta até 6 pessoas. Se o grupo for maior, ainda há possibilidade de se hospedarem em casas dos membros e famílias do Projeto, caracterizando as “Comunidades de Aprendizagem” que a Ong/escola desenvolve.
Os participantes fazem a imersão nas atividades cotidianas do Projeto Âncora, desde as 7h20 até o final do dia. Acompanham a dinâmica dos trabalhos da escola, através de uma programação que garante uma rica vivência junto aos educandos e educadores. Faz parte da vivência reuniões com os educadores para reflexões, trocas, esclarecimento de dúvidas, entre outras necessidades do participante.
O investimento é de R$2500,00 (dois mil e quinhentos reais) por pessoa. Incluso está, além do atendimento e vivência, hospedagem no Âncora, lanche da manhã, almoço e lanche da tarde.
Além de estar entre os 178 projetos eleitos pelo MEC como exemplos de inovação e criatividade, a ONG/Escola Projeto Âncora foi propulsora de vários projetos selecionados por esta iniciativa e que fizeram a imersão de Transformação Vivencial, como o Colégio Santos Dumont no Rio de Janeiro, Escola Nossa senhora do Carmo em Pernambuco, Escola Municipal Luiz Barbosa em Atibaia(SP), Escola Municipal Luiz Barbosa no Ceará, Escola Municipal João Pio em Tiradentes, entre outras.
Quanto mais multiplicadores de novas práticas pedagógicas, maiores são as chances de inovação em políticas na construção de escolas públicas autônomas e na formação de cidadãos mais felizes, sábios e participativos. Para maiores informações enviar e mail para: csmalidu@gmail.com

Informações para imprensa
Ana Alcantara

11 99913 87 20 / 11 4612 99 66

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Carta do mês de janeiro


Cotia,  janeiro de 2017

Caros amigos,

Procurando um tema para uma carta que inicia um novo ano, um novo ciclo, a esperança, em tempos tão sombrios, parece ser propícia.

Paulo Freire, o mais citado teórico brasileiro em trabalhos acadêmicos no mundo, cuja pedagogia já foi utilizada com sucesso em vários países, cunhou o verbo "esperançar", fazendo da esperança verbo e ação.

Torna-se cada vez mais consenso que, não só o Brasil, mas o mundo todo está passando por uma crise. Estamos em transição para outro modelo de mundo e de organização das relações e comportamentos. 

Dois caminhos parecem se apresentar. Um que abandona os modelos obsoletos e se empenha na construção do novo.  E outro que, resistindo às mudanças, se agarra a um eventual passado áureo e, dessa forma, atrasa o novo ciclo da inovação e renovação.
Mas o novo irrompe, queiramos ou não. 

O Projeto Âncora há duas décadas trabalha para a construção de um novo desenho de educação e de desenvolvimento social com a missão de contribuir com um novo modelo de mundo e de humanidade.

Para o Projeto Âncora não há verbo mais importante do que "esperançar". Esperançamos dia a dia, contra tudo e todos que queiram alimentar o mundo velho que destrói o planeta, que empobrece, adoece e exclui parte da humanidade do banquete da vida.

Obrigado pelo seu contínuo apoio e Feliz 2017!

Quer nos ajudar a construir um centro cultural comunitário?
Acesse o link, hoje é o último dia da campanha. É simples, rápido e solidário:


Regina Machado Steurer
Conselheira Projeto Âncora


quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Carta do mês de dezembro



Cotia, 1º de dezembro de 2016

Caros amigos,
Dia 29 de novembro é comemorado o Dia do Doar, criado em 2012 por uma organização de Nova York, em contraponto ao Black Friday. 
Também no Brasil é forte o movimento de doação nessa época do ano.
Muitas empresas organizam grupos de funcionários voluntários para doarem seu tempo e habilidades em entidades sociais.
E toda doação tem sempre mão dupla, é uma troca.

O que o Projeto Âncora doa para todos aqueles que oferecem seu trabalho voluntário, destinam a porcentagem possível de seu Imposto de Renda devido, respondem às diversas campanhas ou doam mensalmente? 

O Projeto Âncora doa a certeza de que um novo Brasil está sendo gestado debaixo da lona que nos cobre, um outro mundo possível, inclusivo, rico porque compartilhado, justo e livre. Retribui com o desenvolvimento de uma tecnologia de educação que abarca todos, crianças, jovens e adultos em relação entre si e com o mundo que nos cerca, e multiplica essa experiência por todos os cantos do país, em escolas públicas e privadas, organizações empresariais, ongs e governo.

Para continuar essa missão que tem encantado e esperançado tanta gente, o Projeto Âncora precisa muito de investimento financeiro. Duas ações são fundamentais nesse momento: a doação da parte possível do seu Imposto de Renda devido (pessoas físicas e jurídicas), para isso, podemos te orientar como fazer (entre em contato pelo site
www.projetoancora.com.br). Outra forma é a adesão à campanha de financiamento coletivo que vai até o final do ano e que nos possibilitará dar mais um passo na transformação do nosso circo em um Centro Comunitário regional. O link é  
https://www.kickante.com.br/campanhas/projeto-ancora-inovacao-na-educacao e basta seguir as orientações da plataforma Kickante como aparece no vídeo.

Foi com a sua participação e de outras centenas de parceiros que chegamos até aqui.
Deixe sua marca na história dessa entidade que vem fazendo história.
Deixamos nossos votos de boas festas, esperança e o desejo de muito entusiasmo para transformar a realidade que impactou a todos em 2016.


Regina Machado Steurer
Conselheira Projeto Âncora


quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Que o seu imposto renda!





Já que o Imposto de Renda é um dever do cidadão e das empresas, que tal colocar responsabilidade social neste ato? Você sabia que você e sua empresa pode direcionar parte desta contribuição ao Projeto Âncora?

Com esta publicação, esperamos poder orientar indivíduos e empresas sobre os incentivos fiscais existentes, para que façam doações para projetos de cunho social, contribuindo, assim, para o desenvolvimento do país.

Os incentivos fiscais existem no mundo todo e são importantes ferramentas utilizadas pelos governos, que através da redução de sua arrecadação de impostos, buscam fomentar o investimento privado em uma determinada atividade. Portanto, eles não são uma benesse ou vantagem, mas um instrumento da política de desenvolvimento.

O uso de incentivos fiscais para projetos sociais é crescente, mas ainda está longe do potencial, ou seja, do valor que poderia ser destinado para os projetos se todas as pessoas e empresas que podem fazer doações as fizessem.
Para melhorar o desempenho foi criado em 2005 dispositivo de lei permitindo ao doador escolher a instituição que deve receber o incentivo.

Depois da leitura, esperamos não só esclarecer dúvidas como também demonstrar que os incentivos fiscais estão a sua disposição para que possa contribuir para a Transformação Social na formação de seres humanos mais felizes e sábios.





DOAÇÕES COM INCENTIVOS FISCAIS

Diretamente para o Projeto Âncora:

O Projeto Âncora, por ter o reconhecimento de Utilidade Pública Federal, pode receber doações de pessoas jurídicas tributadas pelo regime do Lucro Real, que poderão deduzi-las como despesa operacional até o limite de 2%(dois por cento) de seu lucro operacional bruto, calculado este limite antes do cômputo da própria doação, reduzindo, por conseguinte, o imposto de renda e a contribuição social devidos. Caso a doação supere o limite, o excesso não poderá ser carregado para o ano seguinte. A dedução está autorizada pelo artigo 13 parágrafo 2º da lei Federal 9249/1995 e pelos artigos 59 e 60 da MP 2158 -35 de 24.08.2001.
O depósito deverá ser feito na conta de:

Projeto Âncora Pelos Direitos da Criança, Adol. e Idoso
CNPJ: 00.860.895/0001-34

Banco Itaú S/A
Agência: 3218 - C/C.: 00970-6

Ou

Banco Bradesco
Agência 2384 - Granja Vianna - C/C.: 5239-6


O Projeto Âncora emitirá um recibo contendo o valor e a data da doação, acompanhado da declaração de aplicação de recursos instituída pela instrução normativa SRF 87/96.

2. Doações Através do CMDCA – Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

O Projeto Âncora está autorizado a captar recursos dedutíveis do imposto de renda de pessoas físicas e jurídicas, através de projeto aprovado no CMDCA de Cotia, como previsto nas leis 8.069 de 13.07.1990 e artigo 87 do decreto 3000/99.

Pessoa Jurídica

·         Pode direcionar até 1% do imposto de renda devido aplicável sobre o valor da alíquota de 15%, desde que o imposto seja apurado com base no lucro real.

Pessoa Física


·         O limite de dedução é de 6% do imposto de renda devido. A doação efetuada em 2016 será objeto da declaração a ser entregue em 2017.




 AGORA QUE VOCÊ DECIDIU CONFIRA O PASSO A PASSO


 Pessoa jurídica:

Depois de apurar o valor da doação passível do benefício, basta efetuar o depósito durante o exercício de 2016, que deverá conter os seguintes dados:

Banco do Brasil 001 – Agência: 0916-4 – Conta nº: 74031-4
FavorecidoFundo Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente
CNPJ: 13.540.277/0001-59

IMPRESCINDÍVELEncaminhar para o Projeto Âncora por e-mail: ancora@projetoancora.org.br o comprovante de depósito, razão social, CNPJ da pessoa jurídica doadora e telefone de contato. 

Pessoa física:

Depois de apurar o valor da doação passível do benefício, basta efetuar o depósito durante o exercício de 2016, que deverá conter os seguintes dados:

Banco do Brasil 001 – Agência: 0916-4 – Conta nº: 74031-4
FavorecidoFundo Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente
CNPJ: 13.540.277/0001-59

Faça aqui a sua simulação no site da receita:  https://goo.gl/7mya0W

IMPRESCINDÍVELEncaminhar para o Projeto Ancora por e-mail: ancora@projetoancora.org.br o comprovante de depósito, nome completo, CPF da pessoa física doadora e telefone de contato.



IMPORTANTE: Caso não nos envie o comprovante de doação, não teremos como identificar a doação, consequentemente informar à Receita Federal do Brasil para abatimento do seu imposto de renda.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

O Brasil que Doa







 
Brasileiros são conhecidos pela hospitalidade, afetividade, festividades, mas como se comportam os brasileiros quando o tema é Solidariedade?  O nosso país absorveu o “Black Fryday”, mas por que não incorporou o Thanksgiving?  Em recente e pioneira pesquisa sobre a cultura de doação pelo IDIS(Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social), nos deparamos com o perfil da filantropia no país.
pesquisa IDIS
Os dados obtidos são bem interessantes, como constatação de que 77% da população praticou algum tipo de doação ao longo de 2015 e que o hábito de doar faz parte da vida do brasileiro regularmente. Mesmo estando muito aquém dos países com a cultura de doação arraigada, já temos bons motivos para comemorar. Outros dados animadores é que o montante das doações no país somou R$ 13,7 bilhões, equivalente a 0,23% do PIB nacional. Nos Estados Unidos com PIB (2015) de 17,937 trilhões de dólares o valor de doações de pessoas físicas é de 330 bilhões, o que equivale a 18,44% do total do Produto Interno Bruto. 
Quem é este doador em potencial? Mulheres de nível superior que frequentam alguma instituição religiosa e com renda superior a 4 salários mínimos. 
Curioso quando se faz uma busca de imagens pelo Google com a palavra doação, aparece corações, roupas, bancos de sangue,  alimentos, mãos unidas, entre outros. Quando se faz a mesma busca em inglês “donation” aparecem cofres e moedas. Esta simbólica busca demonstra a ideia de doação do brasileiro. 


A Cultura de doação está crescendo, mas ainda há muito terreno a ser expandido.
Este tema vem ganhando destaque no Brasil no último ano. A corajosa decisão de Elie Horn, dono da Cyrela, de se juntar ao movimento Giving Pledge e se comprometer a doar 60% de sua fortuna em vida é um maravilhoso exemplo para indivíduos detentores de grandes fortunas no país. Em recente entrevista a Época negócios Elie Horn, que mantém sigilo dos contemplados pelo investimento social, afirma: “No começo, pensava muito na questão da pobreza. Depois comecei a pensar que se a gente aproximasse as pessoas de Deus não haveria estupro, nem assassinatos. Portanto, a formação moral é fundamental. O mundo educado, o mundo moral, é o mundo que não tem mal. Ou, diante dele, o mal diminui de forma bastante rápida. Por isso, em primeiro lugar, hoje invisto na educação moral. Aí está o futuro.”

O que motivou Elie Horn a fazer a imensa doação é o engajamento na causa. Validamos o que no nosso ponto de vista fará o mundo um lugar melhor para se viver. Validamos a melhora de pessoas para a construção de um novo mundo. O ponto é que sempre podemos enquanto cidadãos e empresários melhorar a nós mesmos, sermos inspiração em nossas empresas, nos posicionando a favor de causas que nos fazem sentido.  Os dados da Doação Brasil comprovam que 89% dos doadores, o fazem pelo simples fato do sentir-se bem ao doar e 80% afirmou que ajudou por ser sensibilizado com a causa.
No ato da doação todos os envolvidos ganham. Transformar realidades dos menos favorecidos é muito possível, distribuir a renda é emergencial para construção de um país mais justo, sábio e menos violento. Basta um pequeno deslocamento da zona de conforto. Se queremos ver a mudança fora, precisamos começar com uma mudança interna.  Maneiras são inúmeras: Incentivo fiscais, doações mensais, parte do imposto de renda, voluntariado, gincanas de arrecadação de alimentos e o que mais a sua boa vontade criar. Não há limites.
Este ano fazemos o convite para que este #Diadedoar se estenda e que cada um de você possa ser co-responsável na construção do nosso Centro Cultural Comunitário. Nosso Circo a serviço da Transformação Social por meio da arte, cultura e cidadania.Se aproprie, doe e depois compartilhe, envie um vídeo do porquê do seu apoio. Vamos dar as mãos. A sua SOL idariedade nos dará luz e voz será aplaudida por muitos.
 Muito simples e rápido. Só Clicar